Message in a Bottle

Blog

Viajar durante a pandemia: os novos comportamentos

Publicado em: 28.09.2020

Sorry, this entry is only available in European Portuguese. For the sake of viewer convenience, the content is shown below in the alternative language. You may click the link to switch the active language.

O novo normal determinou um novo padrão quotidiano, seja ele em trabalho ou lazer. Todas as esferas da nossa vida seguem agora diferentes normas e a forma como viajamos também se alterou (mas não a vontade!). A ânsia de remarcar férias perdidas ou planear novas rotas debate-se com o receio das restrições impostas ao setor do turismo. Contudo, os viajantes durante e pós-Covid-19 valorizam outros fatores que não apenas a beleza do destino ou o custo.

 

Neste contexto de incerteza, a Expedia Group (uma das principais plataformas de viagens do mundo) encomendou um estudo que visasse compreender o novo comportamento do viajante. Com uma amostra de 143 pessoas de diferentes continentes e países – EUA, Canadá, França, Alemanha, Austrália e Reino Unido –, com uma viagem marcada entre junho e dezembro de 2020, foi possível chegar a quatro conclusões-chave:

 

  • Informação relacionada com higiene e segurança é fundamental;
  • A maior parte dos viajantes tenciona ficar em casa de familiares ou casas de férias alugadas;
  • As viagens de carro, dentro do país, são a nova tendência;
  • Os viajantes recorrem a várias fontes de informação antes de marcar a viagem.

 

Perfil do novo viajante

O inquérito levado a cabo pela Dscout (plataforma de investigação qualitativa), em junho de 2020, permite determinar os novos comportamentos de quem viaja. Quase 30% dos inquiridos refere que a próxima viagem será em família ou para visitar amigos e parentes próximos. A maior parte admite preterir uma estadia num boutique hotel ou resort, a favor de uma casa de férias alugada ou da casa de familiares ou amigos, mesmo que a longo prazo. Estes resultados demonstram que o novo viajante procura fugir das massas e dos alojamentos com grande lotação, para procurar sítios mais recônditos e privados.

Apenas 16% da amostra está confortável em viajar nos próximos dois a três meses. No momento de considerar próximas viagens, a informação sobre medidas de segurança e protocolos de higiene, além da informação sobre que atrações e/ou monumentos estão abertos, é crucial para tranquilizar os viajantes e criar uma nova relação de confiança com as companhias de viagens.

Na atual situação pandémica, 9 em 10 inquiridos recorreria a uma agência de viagens online para marcar uma viagem. Isto é, a maioria dos inquiridos prefere marcar uma próxima viagem com uma agência que lhes garanta alguma segurança e com quem possam contar.

 

Está pronto(a) para voltar a viajar?